O Ministério Público acusou dois militares da GNR de agredirem um homem no posto da Murtosa, no distrito de Aveiro, informou esta segunda-feira a Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

De acordo com uma nota publicada na página oficial da Procuradoria-Geral Distrital do Porto na Internet, os factos ocorreram ao final da tarde do dia 29 de agosto de 2015.

De acordo com a Procuradoria, o homem encontrava-se detido no posto da GNR da Murtosa quando foi agredido pelos militares que o "esbofetearam e socaram na cara e na cabeça".

Os dois militares estão acusados de um crime de ofensa à integridade física qualificada, em coautoria.

Também esta segunda-feira, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto informou que foi deduzida acusação contra outros dois militares da GNR de Ílhavo por agredirem uma mulher com socos e pontapés.

As agressões terão ocorrido no dia 22 de fevereiro de 2017, quando os militares foram chamados a uma casa, em Ílhavo, para "atalhar a desacatos que aí sucediam".

Aí chegados, um dos arguidos reagiu à exaltação com que foi recebido por uma das contendoras, chamando-a a um armazém reservado, desferindo-lhe socos e pontapés e insultando-a", refere a mesma nota da Procuradoria.

A mulher foi detida e foi levada para o posto da GNR onde terá sido novamente agredida pelo mesmo militar.

O Ministério Público refere que nas duas situações o militar da GNR atuou "com a complacência do seu companheiro de patrulha".

Os dois militares estão acusados de dois crimes de ofensa à integridade física qualificada. Um deles responde ainda pela prática de dois crimes de injúria agravada.