O juiz que decretou a prisão preventiva dos 27 detidos no caso das agressões de Alcochete diz que os comentários de Bruno de Carvalho à atuação de alguns jogadores potenciaram o clima de animosidade entre Juve Leo, jogadores e equipa técnica.

No último despacho a que a TVI teve acesso e no qual fixa as medidas de coação do ex-líder da Juve Leo e de outros três arguidos, o magistrado do Barreiro diz ainda que Fernando Mendes enviou as "tropas" à frente, de cara tapada, mas organizou o ataque à Academia do Sporting.

O juiz indica também a existência de 43 envolvidos nos ataques, apesar de só 27 estarem em presos, suspeitos de crimes como sequestro e até terrorismo.

Um dos comentários do presidente leonino até já foi apagado, mas o processo às agressões tem uma cópia do post no Facebook em que Bruno de Carvalho critica os jogadores do Sporting pela derrota frente ao Atlético de Madrid, a 5 de abril.

Tais comentários potenciaram um clima de animosidade que já existia entre a 'Juve Leo', os jogadores e a equipa técnica face a alguns inêxitos de resultados desportivos", consta no texto.

No mesmo despacho, o juiz diz sem rodeios que Fernando Mendes, identificado no processo como Fernando Barata, já tinha incitado dias antes, e publicamente, à prática de atos violentos contra jogadores e equipa ténica.

O juiz admite não saber ainda de que forma é que o antigo líder da claque combinou com o grupo a deslocação a Alcochete, mas diz estar certo de que todos se deslocaram com o objetivo de agredir jogadores e equipa ténica.

Envolvidos neste espírito de terror, os presentes arguidos engendraram o plano que colocou os 'soldados' à frente, de cara tapada, ficando para trás, de cara destapada, conferindo os estragos e as vitórias que, pelo menos neste desafio, tiveram."

Dos últimos quatro arguidos, só um não quis falar ao juiz e os restantes apresentam versões contraditórias. O condutor do carro azul que entrou na Academia, Nuno Torres, garantiu em tribunal que Fernando Mendes organizou o ataque aos jogadores e que lhe pediu para o acompanhar à Academia.

Atos que para o juiz até põem em causa a prestação de Portugal no Mundial de futebol

Os arguidos sabiam que punham em causa a representação de Portugal no Mundial de futebol na Rússia, denegrindo a imagem do futebol português perante os organismos internacionais, diminuindo as capacidades física e psíquica dos jogadores e prejudicando gravemente as aspirações de muitos portugueses na vitória da Seleção."