O agente da Polícia de Segurança Pública (PSP) ferido na quarta-feira no Vale da Amoreira, na Moita, já teve alta hospitalar, disse à Lusa fonte desta força de segurança, referindo que os agentes já foram ouvidos pela Polícia Judiciária.

Segundo a PSP, dois agentes foram agredidos com um machado e uma faca na quarta-feira quando tentavam identificar um homem no Vale da Amoreira (distrito de Setúbal), que acabou por ser morto a tiro.

A polícia alega que o agente "foi obrigado a disparar em legítima defesa".

"O agente da PSP ficou internado no hospital do Barreiro, mas hoje já teve alta", disse à Lusa fonte da PSP.

O agente em causa sofreu ferimentos na zona do peito, junto ao pescoço, enquanto o seu colega foi assistido no hospital na quarta-feira devido a um corte no braço, mas teve alta pouco depois.

Os dois elementos, que costumam fazer notificações e pertencem à Esquadra de Investigação Criminal do Barreiro, seguiam à civil numa viatura descaraterizada e ao verem o homem na rua, que seguia a pé, suspeitaram que tinha um mandado de detenção, de acordo com a PSP.

A polícia refere que o homem, de 51 anos, natural da Guiné, que acabou por morrer no local, não tinha mandado de detenção.

"Os agentes tentaram identificar o homem porque poderia ser um indivíduo com um mandado de detenção, mas este não existia. Contudo, o homem em causa já tinha tido outros mandados de detenção no passado e identificar a pessoa é o normal nestas situações", esclareceu.

A Polícia Judiciária, que está a investigar o caso, já ouviu os dois agentes da PSP envolvidos na ocorrência.