A polícia de Berlim já iniciou a análise dos registos telefónicos dos telemóveis do engenheiro português Afonso Tiago, desaparecido desde 10 de Janeiro na capital alemã, mas só terá resultados em meados de Março, disse fonte policial, refere a Lusa.

«Conseguimos finalmente obter autorização judicial para analisar os registos telefónicos, o que já estamos a fazer, e esperamos concluir dentro de duas semanas», disse o chefe do departamento da polícia criminal que investiga desaparecimentos, Hans-Joachim Blume.

Afonso Tiago levava consigo dois telemóveis quando desapareceu, e ambos registados pela última vez pelas antenas dos operadores na zona confinada à parte inicial do que seria o trajecto a pé do seu regresso a casa, perto da estação ferroviária de Ostbahnhof.

A autorização judicial permitirá também à polícia verificar se os telemóveis em questão continuam a ser utilizados, mesmo que com outros cartões e números de telefone, explicou o inspector Blume.

O tribunal autorizou também, entretanto, que a polícia visione as imagens das câmaras de vigilância do Multibanco junto ao qual Afonso Tiago se despediu de um amigo às 03:40 da madrugada, dizendo-lhe que ia para casa.

Desde então, porém, nunca mais foi visto, apesar da grande divulgação dada ao caso pela polícia e pela família na imprensa de Berlim, e também da colocação de milhares de cartazes e da distribuição de tarjetas com a sua fotografia por toda a cidade.

Através do visionamento das imagens, a polícia talvez consiga apurar em que direcção Afonso Tiago seguiu quando deixou o amigo que o viu pela última vez a levantar dinheiro no Multibanco da estação ferroviária de Ostbahnhof, a cerca de 20 minutos a pé da sua residência.

A polícia continua também a «dar a maior atenção» às indicações vindas da populares que dizem ter visto o jovem cientista português nos mais diversos sítios, na esperança de que algum deles conduza a uma pista concreta.

As indicações deste tipo chegadas à polícia «foram poucas, tendo em conta a divulgação dada ao caso, e até agora todas demasiado vagas para ajudar o trabalho dos agentes.

Em breve deverão ser também reatadas as buscas com mergulhadores na zona do Rio Spree, sobre o qual Afonso Tiago teria de passar no caminho a pé para voltar a casa, na noite do desaparecimento, depois de ter estado num bar com amigos.

As baixas temperaturas em Berlim desde o desaparecimento do cidadão português, a rondar os zero graus centígrados, impediram que os mergulhadores prosseguissem as buscas, depois de uma primeira tentativa infrutífera no início de Fevereiro.

A família de Afonso Tiago divulgou recentemente uma petição na Internet, entretanto subscrita por cerca de oito mil pessoas, a solicitar os bons ofícios do Presidente da República, durante a sua visita de Estado, esta semana, para ajudar a encontrar o engenheiro mecânico, de 27 anos.

Afonso Tiago estava em Berlim há cerca de seis meses a fazer um estágio na sucursal da Active Space Technologies, empresa de Coimbra que se dedica a projectos espaciais, ao abrigo do programa Inov Contact, do AICEP.