Os alunos açorianos obtiveram médias positivas nas provas finais de Português do 4.º e 6.º anos, mas continuam a ter resultados negativos a Matemática e, nos dois casos, sempre inferiores às notas nacionais.

Segundo dados revelados hoje pela Secretaria Regional da Educação, a média nas provas finais de Português realizadas nos Açores foi de 53,77% no 4.º ano e de 51,7% no 6.º ano, depois de em 2013 os resultados terem sido 41,43% e 44%, respetivamente.

As notas a português melhoraram em relação ao ano passado, mas os alunos açorianos continuaram em 2014 a ter resultados abaixo das médias nacionais (62,2% no 4.º ano e 57,9% no 6.º).

Já a Matemática, as médias nos Açores continuaram a ser negativas e abaixo da média nacional e, no caso da prova do 4.º ano, houve mesmo uma ligeira descida.

Assim, nos Açores, a média a Matemática foi de 45,61% no 4.º ano (56,1% a nível nacional) e 37,7% no 6.º ano (47,3% no país).

Em 2013, estes resultados tinham sido 46,58% e 36%, respetivamente.

No ano passado, os alunos dos Açores foram aqueles que tiveram piores resultados médios nacionais, seguindo-se os que frequentam estabelecimentos de ensino no estrangeiro e os de Faro.

Citado num comunicado do Governo dos Açores, o secretário regional da Educação, Luiz Fagundes Duarte, aponta que este ano houve melhorias em quase todas as médias, mas reconhece que «o progresso registado não é aquele que é desejado».

No caso do Português, considerou que a evolução vai no «bom caminho» e segue «a tendência nacional».

Já quanto à Matemática, admite que «ainda há bastante trabalho a ser feito».

«O progresso registado não é, deste modo, aquele que é desejado», afirma, acrescentando que, no entanto, «na educação, são estes progressos que dão alento para se prosseguir a caminhada que o Governo Regional e as escolas têm encetado no combate ao insucesso escolar e em prol da melhoria das aprendizagens dos seus alunos».

Fagundes Duarte lembra, a este propósito, que o executivo açoriano lançou «um conjunto de medidas que estão, neste momento, no terreno e que já produziram alguns efeitos, mas há que esperar e continuar a seguir este caminho».

A Secretaria Regional da Educação lembra, ainda, que os alunos que não conseguiram aprovação final numa ou nas duas disciplinas em que fizeram provas têm direito «a um acompanhamento extraordinário, assegurado pela própria escola, o qual constitui uma segunda oportunidade para a sua aprovação de final do seu ciclo».