Um antigo tesoureiro da União de Freguesias de Santa Marinha e S. Pedro da Afurada, em Vila Nova de Gaia, acusado de abusar sexualmente de duas menores, entre 2013 e 2014, negou os factos em tribunal.

No julgamento, iniciado hoje no Tribunal de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, à porta fechada, o arguido, de 53 anos, garantiu estar inocente e “tudo não passar de uma invenção”, afirmou à Lusa fonte ligada ao processo.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), o suspeito, detido em fevereiro de 2015, abusou sexualmente de duas raparigas, de 11 e 14 anos, entre julho de 2013 e dezembro de 2014, na sede da junta de freguesia e numa viatura da autarquia.

A acusação realçou que o arguido conquistou a confiança das menores por manter uma relação de amizade com a mãe de uma delas, levando-a frequentemente de casa para a escola e vice-versa.

Aproveitando o facto de estar só com a menor, o arguido levava-a para a sede da junta de freguesia em horas em que já estava fechada ao público, desligava as câmaras de vigilância e praticava os abusos sexuais, lê-se na acusação.

O MP salientou ainda que os abusos também aconteceram numa carrinha da junta, em ruas com pouco movimento.

Depois das denúncias, o presumível abusador demitiu-se do cargo de tesoureiro, abandonando a junta de freguesia.

Na audiência de hoje, além do suspeito, foram ouvidas as declarações das menores gravadas para memória futura e os pais delas, revelou a fonte à Lusa.