O Ministério Público acusou um homem que abusou sexualmente de uma criança, aproveitando-se do facto de ser vizinho dos pais e de merecer a confiança do pai da menor, informou esta quinta-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

No essencial, adianta a PGDL, está indiciado que o arguido, a 26 de Janeiro último, sujeitou a criança, nascida a 5 de agosto de 2011, a praticar consigo atos de índole sexual.

Os abusos ocorreram na casa do arguido, vizinho dos pais da menor, a quem o pai desta a havia confiado para que dela tomasse conta durante umas horas.

De acordo com a acusação, o arguido aproveitou-se da proximidade e da relação de afeto que a menor tinha para com ele e da confiança que nele depositavam os pais da criança.

Após abusar sexualmente da criança, o arguido pediu-lhe que guardasse segredo e disse-lhe que, a partir de então, eram namorados e que passariam a praticar atos idênticos sempre que ela fosse a sua casa.

O arguido esteve em prisão preventiva e atualmente encontra-se sujeito à obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica.

O inquérito foi dirigido pela 2ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, tendo estado a investigação a cargo da Polícia Judiciária