Manuel Maria Carrilho foi, esta sexta-feira, absolvido de um crime de violência doméstica num segundo processo. Foi ainda condenado por um crime de difamação a 150 dias de multa, num total de 900 euros, e ao pagamento de 3.000 euros por danos não patrimoniais à apresentadora de televisão Bárbara Guimarães. 

O antigo ministro da Cultura tinha sido condenado, em outubro, num outro processo, a quatro anos e meio de prisão com pena suspensa, precisamente por violência doméstica contra a apresentadora Bárbara Guimarães. Um caso de violência doméstica após a separação.  

Neste outro processo, relativo ao período em que ainda estavam casados, o Ministério Público pedia três anos e quatro meses de prisão, com pena suspensa, para Carrilho e a aplicação de uma pena acessória de proibição de contactos com Bárbara Guimarães durante esse tempo. 

“Perante a realidade trazida ao tribunal, prova pericial inconclusiva e perante uma prova testemunhal abundante, mas que não foi capaz de sustentar a acusação, não resulta da matéria de facto provada que o arguido tem cometido o crime de violência doméstica”, pelo que o tribunal o absolve, decidiu a juíza Joana Ferrer.

"Fez-se justiça", diz Carrilho

O advogado da apresentadora pediu uma pena efetiva de prisão de três anos e dez meses para Carrilho.

Por seu turno, a defesa do ex-ministro pedia a absolvição, o que veio a ser decidido pelo tribunal. À saída do Tribunal, Carrilho disse que hoje "se fez justiça" e que, com esta decisão, tinha terminado "um calvário de quatro anos".

Manifestou-se "muito feliz" com a absolvição e que, de momento, a única coisa que lhe apetecia era ir ter com os filhos.

O antigo ministro prometeu que falará com os jornalistas mais tarde sobre este processo, quando estiver mais tranquilo.

O seu advogado de defesa, Paulo Sá e Cunha afirmou que esta acusação nunca deveria ter existido e que com a absolvição se fez justiça.

Num outro processo que envolve o ex-casal, Carrilho é também acusado de violência doméstica e de 23 crimes de difamação.