O diretor da Escola Básica de Aver-o-Mar, no concelho da Póvoa de Varzim, mostrou preocupação com a existência de amianto nas coberturas de fibrocimento dos edifícios do estabelecimento, que aguarda há vários anos por obras de recuperação.

A escola serve uma comunidade de quatro freguesias da Póvoa de Varzim - Aver-o-Mar, Aguçadoura, Navais e Estela ¿ e acolhe cerca de um milhar de alunos.

Segundo o diretor da escola, Carlos Sá, tanto a DGESET (Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares) como a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim foram, no final do ano passado, informados sobre o estado das instalações escolares.

«Destacámos a situação específica do pavilhão prefabricado, em mau estado, e das coberturas entre blocos, existindo, em ambos casos, telhas em fibrocimento, onde está presente o amianto. Juntam-se a estes espaços o bloco D e a área dos clubes, que apresentam igual material», explicou.

À Agência Lusa, o diretor recordou, ainda, que «o material, quando aplicado, como acontece nas escolas, não apresenta grandes riscos. Esses existem nas situações de aplicação ou com o material em mau estado, de onde podem resultar poeiras como está a acontecer».

«Embora não seja conhecido, na escola, nenhum problema de saúde diretamente ligado com este material, é preocupação da direção que o mesmo seja rapidamente substituído», disse Carlos Sá.

O diretor adiantou que espera que essa substituição seja feita até ao final do presente ano letivo,«"isto depois da DGEST ter feito, no início de fevereiro, um levantamento das áreas cobertas com telhas de fibrocimento, o que na Escola Básica de Aver-o-Mar ronda os 1700 metros quadrados».

Para Carlos Sá, «o estado das instalações carece de uma atenção geral e não apenas à questão das coberturas», mas a toda a estrutura, que apresenta o «desgaste de 30 anos de exposição ao ar do mar».