TVI recolheu provas de que o incêndio que devastou o Pinhal de Leiria teve mão criminosa e que terá sido planeado um mês antes da tragédia.

Vários madeireiros, entre donos de grandes empresas e donos de fábricas que compram e vendem madeira, estiveram reunidos numa cave de um restaurante, para planearem o incêndio. As reuniões secretas serviram também para acordar os preços da madeira.

TVI sabe também que usaram como engenho incendiário vasos de resina com caruma lá dentro.

Um madeireiro, sob anonimato, admitiu à TVI que “se não houvesse este incêndio, a madeira nesta altura estava a 80 euros e não havia para cortar porque o pessoal não disponibilizava a venda”.

Isso são milhões! Você sabe quantos milhões de toneladas aí estão de madeira queimada? O Estado nem sabe quanto é que está lá!"

Nos encontros, um mês antes, terão estado os donos de pelo menos quatro empresas de madeiras da região, mas também os donos de fábricas que compram e vendem madeira. Numa segunda reunião, oito dias antes do incêndio, acordaram os preços da madeira.

O testemunho é de quem terá sido convidado para o encontro, mas que não gostou do que ouviu.

Houve uma reunião para combinarem o preço da madeira antes de arder. Para combinar para não oferecerem nada pelos lotes do Estado porque a madeira está a sair muito cara. E agora, todos os grandes estão feitos. A ideia deles é assim: não se compra, a madeira fica ali assim e o Estado um dia para limpar aquilo tem que dar aquilo quase dado!"

 

“Escolheram a tarde e muita quantidade (de fogos) e os aviões não podiam atuar de noite. Aquilo ardeu quase tudo de noite.”

O restaurante onde terão decorrido as reuniões está atualmente fechado e encontra-se à venda. Mas confirma-se a existência de uma cave com entrada discreta pelas traseiras.

A investigação da TVI está em condições de garantir que o primeiro incêndio, o da Légua, teve mão criminosa e terá começado a ser planeado no dia 12. Aqui mesmo terão sido encontrados vasos de resina que terão servido como engenho incendiário, como mostram fotografias que já estão nas mãos da Polícia Judiciária.

Noutras zonas fomos encontrar os mesmos engenhos, colocados estrategicamente, para que o incêndio acabasse por ter as proporções que conhecemos.

Garrafas embrulhadas em papel prata também poderão ter sido outro dos engenhos utilizados.

Todas as pessoas com alguma dimensão vão ganhar milhões com isto e todo o pequenino vai ser derretido! Não é já! É daqui a alguns tempos! Essa gente vai morrer toda, porquê? Porque, com a falta de matéria-prima que vai haver, vão ficar completamente trucidados e não têm hipótese nenhuma de entrar no mercado. A maior parte deles têm medo!”

O dia 15 de outubro de 2017 foi considerado o pior dia do ano. Mais de 440 incêndios ativos no norte e centro do país. Ao todo, 45 mortos e cerca de 500 empresas destruídas. Em Leiria, 86% da mata nacional ardeu.