A praia de Carcavelos, em Cascais, está interdita a banhos desde as 09:00 desta quinta-feira. É uma medida preventiva para análise à qualidade da água.

As autoridades de saúde receiam que as chuvadas de terça-feira tenham afetado a água da praia, noticia a TSF.

A interdição foi pedida pelo delegado de saúde de Carcavelos até serem feitas análises. Os resultados são esperados na sexta-feira.

O comandante da Capitania do Porto de Cascais confirmou à Rádio Notícias que a praia só será reaberta depois de serem feitos testes à água, o que deverá acontecer amanhã.

Na sequência das chuvas ocorridas no passado dia 28 de agosto, houve um galgamento dos açudes colocados nas ribeiras que se encontram na zona. E portanto esse galgamento trouxe águas sujas para a praia de Carcavelos e, nessa sequência, o senhor delegado regional de saúde determinou a interdição para a prática balnear na praia de Carcavelos por uma questão de precaução e aguardamos pelas análises que vão testar a qualidade da água que são esperadas amanhã [sexta-feira], análises feitas pela Agência Portuguesa do Ambiente e pela Câmara Municipal de Cascais”, afirmou Mário Domingues.

A decisão de interditar os banhos na praia de Carcavelos, no distrito de Lisboa, partiu do delegado regional de Saúde, segundo Mário Domingues.

Na sequência das fortes chuvas de terça-feira a água galgou os açudes colocados nas ribeiras e trouxe águas sujas para a praia. Por precaução foi determinada a interdição a banhos, mas esperamos que amanhã [sexta-feira] já possa tudo voltar ao normal, quando tivermos os resultados das análises”, explicou.

O responsável pela Polícia Marítima de Cascais ressalvou ainda que não houve qualquer queixa por parte dos banhistas a eventuais efeitos adversos das águas e sublinhou que houve compreensão por parte destes à decisão de interdição.

"Não havia garantias"

O delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo afirmou entretanto que a interdição da praia de Carcavelos, em Cascais, foi "absolutamente necessária", uma vez que “não havia garantias que a água não estivesse contaminada”.

Em declarações à agência Lusa, o delegado regional de Saúde, Mário Durval, responsável pela decisão de interditar os banhos naquela praia, explicou que a medida “foi absolutamente necessária para garantir a segurança dos banhistas”.

Depois de na terça-feira ter chovido como choveu e de nos termos deparado com um cenário em que tínhamos as águas sujas, ratazanas mortas, não hesitei em mandar interditar a praia. Não havia necessidade de correr riscos desnecessários”, sublinhou.

A decisão foi tomada sem a realização de análises. O resultado será conhecido na sexta-feira.

Se as análises determinarem que não há risco a praia é reaberta. Caso contrário, permanecerá interditada até que os resultados sejam positivos”, ressalvou.