Três dos cinco arguidos detidos por roubo, burla e outros crimes praticados contra idosos, que lhe entregavam dinheiro através de meios enganosos, ficaram em prisão preventiva, informou esta segunda-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Segundo a PGDL, os arguidos dedicavam-se diária e reiteradamente à prática de crimes desta natureza contra idosos vulneráveis física e psiquicamente, de forma a obterem a entrega de quantias em dinheiro através de meios enganosos.

"Um dos estratagemas utilizados consistia na suposta venda de máquinas de filmar de gama alta e que, na realidade, eram imitações ou réplicas de plástico. A fim de obterem a entrega das quantias pretendidas abordavam os idosos na rua e, após aproximações insistentes, forçavam-nos a levantamentos, sob ameaça, em postos de multibanco ou com o uso de cheques ao balcão de várias dependências bancárias", relata a PGDL.


Os factos ocorreram entre setembro de 2013 e junho de 2015 e só terminaram com a detenção dos suspeitos, que foram submetidos a interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

A investigação prossegue, a cargo da 2.ª seção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa, e tem a colaboração da PSP.