“Depois de mais de dois anos de impasse, com o Fundo do Aleixo (Invesurb) em risco de liquidação e sem dinheiro para construir as casas que se comprometeu a dar à Câmara do Porto como contrapartida, está finalmente encontrada uma solução com o grupo Mota Engil a tornar-se parceiro e a investir cerca de dois milhões de euros, em capital”, lê-se numa nota publicada no portal de notícias autárquico "Porto.".