O Ministério Público requereu o julgamento de dois arguidos, envolvidos na montagem de uma bancada do Circo Chen, assim como da sociedade proprietária do circo, informou esta quarta-feira a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL).

Em causa está a prática de 15 crimes de ofensa à integridade física por negligência e um de infração às regras de construção, de acordo com a página da PGDL, na internet.

A PGDL acrescenta que ficou indiciado que os dois primeiros arguidos, contratados pela sociedade detentora do Circo Chen, cometeram, por negligência, erros técnicos na montagem e soldadura da estrutura da bancada do circo, provocando a derrocada desta, no início do espetáculo de dia 9 de janeiro de 2010, junto ao Parque das Nações, em Lisboa.

Como consequência da queda, 77 pessoas que se encontravam nessa bancada sofreram lesões físicas.

A sociedade proprietária do circo também foi acusada judicialmente.

A investigação foi realizada pela 2.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.