O presidente da Câmara de Sabrosa disse que a "situação está mais calma" no grande incêndio que deflagrou em Vilela, onde os meios de combate foram reforçados para os cerca de 200 operacionais que continuam no terreno, ao início da madrugada de quarta-feira.

O alerta para este fogo foi dado cerca das 15:00. As chamas avançam em duas frentes, em zona de mato e pinhal.

O que tínhamos mais perigoso era aqui Vilela do Douro e está a ficar mais calmo", afirmou o autarca Domingos Carvas.

O autarca disse que as principais dificuldades no combate a este fogo foram o vento forte, principalmente após as 18:00, que impediu o combate pelos bombeiros.

A falta de acessos, a orografia do terreno e o mato denso foram outras das dificuldades sentidas pelos operacionais no terreno.

Na operação de combate estão espalhados cerca de 200 operacionais, com mais de 50 viaturas e ainda quatro máquinas de rasto, duas delas do Exército.

"Fogo posto"

Este é o segundo grande incêndio a afetar este concelho do distrito de Vila Real no espaço de uma semana.

No dia 13, um fogo queimou três casas em Parada do Pinhão, uma dela habitada, e ainda destruiu cerca de 200 toneladas de lenha que abastecia uma padaria, bem como um trator e maquinaria.

Domingos Carvas mostrou-se preocupado com os incêndios e disse não ter dúvidas de que se trata de fogo posto.

Isto é fogo posto. Não sabemos quem é, mas não é possível que um incêndio arda sempre à beira de um caminho", salientou.

Eu acho que não são coincidências, são pessoas que pegam o fogo, não há dúvida nenhuma de que essa treta de que foi o vidro, a garrafa, não é nada. Isto é o isqueiro e uma mão assassina que faz este tipo de habilidade e brinda todo o país com este tipo de situações", afirmou Domingos Carvas aos jornalistas, esta madrugada, na aldeia de Vilela.

O autarca considerou que "é uma vergonha" que se continue a "assistir impávidos e serenos a este tipo de situações".

Questionado sobre o que faz falta, o presidente apontou a "investigação" e "uma mão mais pesada da Justiça".

Fazer com que as pessoas tenham algum receio e pensem duas vezes quando pegam num isqueiro para fazer uma habilidade destas", acrescentou.