Quase três casos por dia de infeção por VIH/sida foram diagnosticados no ano passado em Portugal, num total de 1.093 situações, o que equivale a uma taxa de 10,5 novas infeções por 100.00 habitantes, segundo um relatório oficial.

O relatório do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, relativo à situação da doença a 31 de dezembro de 2013, refere que 20,7% das situações diagnosticadas nesse ano já se encontravam no estadio sida, quando a infeção evolui para doença.

O número de novos diagnósticos em homens foi 2,4 vezes superior ao das mulheres, com a idade mediana à deteção da infeção a ser de 40 anos.

O modo de transmissão mais frequente do VIH foi o contacto heterossexual, referido em 61% dos casos, com a transmissão por relações sexuais entre homens a surgir em 43% dos novos casos.  Os homossexuais tendem a ser mais jovens que os heterossexuais à data do diagnóstico, com metade a terem menos de 32 anos.

A transmissão por consumo de droga representou sete por cento dos diagnósticos.

Quanto aos óbitos,  foram notificadas 226 mortes ocorridas no ano passado em pessoas com a infeção por VIH, 145 das quais no estadio sida.

Entre 1985 e 2013, foram diagnosticados ao todo 47.390 casos de infeção por VIH/sida.

No que se refere à infeção nas crianças, desde o diagnóstico do primeiro caso pediátrico, em 1984, foram notificados 479 casos, com igual distribuição entre sexos e com o modo de transmissão mais frequente a ser o contágio mãe-filho.

Ainda assim, desde a introdução do rastreio na gravidez, o número de casos diagnosticados «diminuiu continuamente».