Vários manifestantes envolveram-se em cenas de pancadaria na Praça do Comércio, em Lisboa, onde, pelas 16:15, teve início um protesto em defesa da floresta e homenagem aos mortos nos incêndios deste ano.

Vários cidadãos envolveram-se em confrontos, junto à estatua do Rei D. José I, tendo obrigado à intervenção de cerca de uma dezena de agentes policiais.

Pedro Fortunato, um dos envolvidos, explicou à agência Lusa que estes começaram quando foi impedido por um outro grupo de cidadãos de desenrolar uma faixa, onde se lia “os culpados são os governos PS e PSD/CDS”.

Segundo Fortunato, um dos seus amigos, que também participava na manifestação, foi pontapeado e lançado ao chão por um grupo de pessoas que contestavam o facto de ele culpabilizar o governo PDS/CDS.

Pedro Fortunato afirmou aos jornalistas que “é tanto culpado o atual Governo, como o anterior”, relativamente à situação trágica dos incêndios, que este ano assolou o país.

Depois dos incidentes, o protesto prosseguiu em silêncio. As altercações foram um tom dissonante de um protesto calmo e sem grandes palavras de ordem.

No local concentraram-se centenas de pessoas, algumas empunhando a bandeira nacional e cartazes com frases como: “Incêndios já basta”, “eucaliptização/combustão” e “exigimos responsabilidades e exigimos proteção.

Para este sábado, estão agendas manifestações para uma dezena de distritos do país contra os incêndios e as políticas florestais, mas também de homenagem às vítimas dos fogos, iniciativas organizadas nas redes sociais e por grupos de cidadãos.

A maioria dos eventos foi convocada através das redes sociais e decorrem desde as 16:00, em pelo menos dez distritos do país: Lisboa, Porto, Aveiro, Viseu, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Braga, Guarda e Bragança.

“Manifestação silenciosa: Portugal contra os incêndios” é a designação das ações que decorrem na Avenida dos Aliados, no Porto, e na Praça do Comércio, em Lisboa, em luta por um planeamento de defesa e proteção florestal e para que as medidas de prevenção de combate a incêndios sejam realmente executadas.

A iniciativa “Basta! Por um Futuro Sustentável!” também foi marcada para a Praça do Comércio, e em cada Câmara Municipal uma manifestação sob o lema: “de luto e em silêncio por todas vítimas, por todas as casas destruídas, por todas as árvores ardidas”.