«É uma obra de ampliação do edifício da Engenharia Automóvel, curso da Escola Superior de Tecnologia e Gestão, e estavam a abrir uma vala para passar uma conduta quando romperam uma conduta de gás que está no espaço público», afirmou Nuno Mangas.

O presidente do Instituto Politécnico de Leiria adiantou que, devido à fuga de gás, a escola acionou o plano de emergência, que «foi respeitado por alunos e professores».

 

«Alunos e professores saíram dos blocos e concentraram-se no ponto de reunião, situação que decorreu com toda a tranquilidade, não havendo danos pessoais ou materiais a registar».

O alerta para a situação foi dado às 16:35, tendo acorrido ao local três viaturas e nove elementos dos bombeiros, PSP e Lusitânia Gás, afirmou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Leiria, referindo que o problema ficou resolvido uma hora depois.

À Lusa, o comandante dos Bombeiros Municipais de Leiria, Artur Figueiredo, esclareceu que se tratou de uma «rotura de uma conduta de gás devido à intervenção de uma máquina numa obra».

 

«Foi enviada uma viatura dos Municipais para fazer o controlo da área e criar um perímetro de segurança e, em simultâneo, foi acionada a Lusitânia Gás para fazer o corte do gás».

Segundo Artur Figueiredo, «face à fuga de gás, que era grave, a equipa mandou evacuar os blocos das salas de aula mais próximos da zona de obra, sendo de imediato também acionado o plano de emergência e evacuação do estabelecimento de ensino».

 

«Quando a Lusitânia chegou, fechou o gás e foi reposta a normalidade e os alunos puderam regressar às salas de aula».