Os suplementos vitamínicos podem aumentar o risco de cancro e de desenvolvimento de doenças cardíacas. Esta é a conclusão de um novo estudo elaborado por investigadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos.

A equipa de investigação analisou milhares de doentes ao longo de cerca de dez anos e concluiu que as pessoas que tomam mais vitaminas apresentam maior risco de desenvolver problemas de saúde. 

«Descobrimos que os suplementos não são benéficos para a saúde. Na verdade, algumas pessoas que tomam vitaminas têm mais probabilidade de ter cancro», afirmou o diretor do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças da Universidade do Colorado, Tim Byres, em declarações ao «The Guardian». 

O estudo refere que para os indivíduos que ingerem mais do que a quantidade recomendada de beta caroteno (uma substância que estimula o sistema imunológico) o risco de desenvolver cancro do pulmão e doenças cardíacas  é 20 por cento maior

A investigação também inferiu que um outro suplemento, de ácido fólico, usado por mulheres grávidas para prevenir defeitos congénitos no feto, também aumenta as probabilidades de desenvolver cancro.
 

«Não é clara a razão pela qual isto acontece a nível molecular, mas as evidências mostram que as pessoas que tomam mais suplementos vitamínicos que o necessário tendem a apresenetar um maior risco de desenvolver cancro.»


O especialista afirma, por isso, que os suplementos vitamínicos não devem ser usados como substitutos de outros alimentos, mais nutritivos e salientou que as pessoas que comem fruta e vegetais frescos têm uma probabilidade menor de desenvolver cancro.