É uma casa, igual a tantas outras, perdida nos arredores de Ponte de Lima. Nem reparamos na porta quando cruzamos a estrada. Quando entramos, continua a ser uma casa de família. Cruzamos um pequeno jardim e deparamos com umas mesas na relva com guarda sol para proteger os comensais.

Num avançado à habitação, com uma parede de vidro, uma sala com poucas mesas, paredes de pedra, um retrato e muitas garrafas de vinho.

Lá dentro, José António Silva e Palmira são os artesãos. Eles criaram um conceito em que os clientes nunca sabem o que vão comer, porque não há lista, mas sabem que vão comer bem e os anfitriões garantem respeitar as preferências de cada um.

O Bocados é fruto de duas almas limianas, apesar de Palmira ter nascido em Angola. Ela é uma eterna insatisfeita que procura nos livros novas formas de fazer melhor a comida e os sabores tradicionais.