O presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, revelou hoje que, apesar do crescimento populacional registado no concelho, o centro histórico da cidade de Viseu perdeu quase 30 por cento dos seus residentes nos últimos 10 anos.

«O centro histórico é um coração que bate forte na história, nos afetos e no orgulho, mas bate fraco e doente na fixação de residentes e na atração de novas famílias», disse, citado pela Lusa, na sessão de abertura da conferência «Para que serve um sítio Património da Humanidade», que decorre ao longo do dia de hoje em Viseu.

O autarca sublinhou que em 2001 residiam no centro histórico 1.900 pessoas. «10 anos depois, e apesar do crescimento populacional de Viseu - cerca de 20 mil pessoas nos últimos 20 anos - o centro histórico perdeu quase 30 por cento dos seus residentes. Hoje serão cerca de 1.300», lamentou.

De acordo com o antigo secretário de Estado da Economia, «também ao nível do edificado o coração da cidade está doente e precisa de uma revitalização».

«O centro histórico tem 628 edifícios, dos quais 25 por cento, ou seja, 152, estão com elevado estado de degradação, sendo a maior parte anterior a 1945», acrescentou.

Na sua intervenção, Almeida Henriques recordou que elegeu a revitalização do centro histórico como uma das três prioridades do mandato, apesar de estar consciente das dificuldades.

«Temos um longo caminho pela frente. As pessoas terão de ser a alma do projeto de revitalização do centro histórico, pois a vontade da população é a única mola da mudança», defendeu.