Investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) querem mobilizar os apicultores e a população em geral para o combate à vespa asiática, cuja presença foi confirmada em Vila Real.

A UTAD informou esta segunda-feira, em comunicado, que especialistas da academia confirmaram, recentemente, a presença da vespa velutina, vulgarmente conhecida por “vespa asiática”, na região de Vila Real.

“No decorrer de trabalhos no apiário da UTAD, um aluno de mestrado capturou dois exemplares de vespa e, após observação, confirmou-se que se tratava de vespa asiática, uma rainha e uma obreira mais concretamente".

"Não há dúvida sobre a presença desta espécie em Vila Real, à semelhança de outros locais na região norte do país”, afirmou o investigador especialista em apicultura, Paulo Russo Almeida, em declarações à Lusa.


Assim, com o objetivo de mobilizar os apicultores, a Proteção Civil, e a população interessada em ações concertadas de combate a esta praga, o Laboratório Apícola do Departamento de Zootecnia da Escola de Ciências Agrárias e Veterinárias da UTAD (LabApis UTAD) realiza, a 5 de dezembro, um workshop intitulado “Estratégias de combate à vespa velutina”.

“Dada a ação destrutiva que esta espécie exerce sobre as colmeias de abelhas melíferas, e o perigo que pode constituir para a saúde pública, o que suscita preocupação a apicultores, investigadores, técnicos, agentes da Proteção Civil, pensámos que a melhor forma de agir seria dar formação sobre estratégias de combate”, salientou o investigador.

Para o efeito, o 'workshop' vai contar com a presença de Marco Portocarrera, que é conhecido como o “caçador de vespas” e que fará uma demonstração sobre a construção de armadilhas seletivas para vespa velutina e vai também ensinar a preparar iscos.

Participam ainda no evento representantes da Proteção Civil de Vila Real, investigadores da UTAD e técnicos que farão palestras de esclarecimento sobre o combate à vespa asiática.

A organização sublinha que é “importante atuar de forma concertada para minimizar os danos” provocados.

Esta espécie predadora de vespa foi introduzida na Europa através do porto de Bordéus, em França, em 2004.

Os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011, mas a situação só se agravou a partir no final do seguinte. Viana do Castelo é o concelho com maior número de casos registados. Em dois anos foram sinalizados 619 ninhos de vespa asiática e destruídos mais de 400.

No distrito de Vila Real, esta espécie também já foi detetada no concelho de Ribeira de Pena.