Nem tudo é romantismo no Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim. Mas mesmo quem tem o coração mais duro permite-se uma extravagância para agradar à respetiva cara-metade, mas o dia é, muitas vezes, mais comercial que emocional.

 

Os americanos, por exemplo já gastaram 18.9 biliões de dólares (cerca de 16.6 biliões de euros), só este ano, em comemorações do dia 14 de fevereiro.

 

A prestigiada revista «Time» aproveita a aproximação da celebração para elencar os factos menos românticos relativos ao Dia dos Namorados, baseando-se em estudos de mercado e, de alguma forma, ajuda a explicar porque é que se gasta tanto dinheiro nesta data.

 

Amor ou obrigação?

 

O tempo passa, o «romantismo» abranda

Outro estudo da National Retail Federation mostra que os recém-namorados ou recém-casados com idades compreendidas entre os 25 e os 34 anos gastam mais do que os outros casais.

 

O amor pelos animais 

 

Mulheres dão prendas… a elas próprias