Nem tudo é romantismo no Dia dos Namorados ou Dia de São Valentim. Mas mesmo quem tem o coração mais duro permite-se uma extravagância para agradar à respetiva cara-metade, mas o dia é, muitas vezes, mais comercial que emocional.
 
Os americanos, por exemplo já gastaram 18.9 biliões de dólares (cerca de 16.6 biliões de euros), só este ano, em comemorações do dia 14 de fevereiro.


 
A prestigiada revista «Time» aproveita a aproximação da celebração para elencar os factos menos românticos relativos ao Dia dos Namorados, baseando-se em estudos de mercado e, de alguma forma, ajuda a explicar porque é que se gasta tanto dinheiro nesta data.
 

Amor ou obrigação?

Um estudo feito pela «Offers.com» revela que um quarto dos homens celebra o dia porque se sente na obrigação de o fazer ou apenas «porque esperam ter sorte». Já 13% das mulheres afirma que celebra porque «toda a gente o faz».
 

O tempo passa, o «romantismo» abranda

Quanto mais tempo tem a relação e quanto mais idade a pessoa tem, menos dinheiro gasta. O amor pode ou não desaparecer ao longo do tempo, mas a probabilidade de oferecer aquilo que o outro deseja no dia dos namorados vai diminuindo. Um estudo de mercado levado a cabo pela Rakuten Shopping Secrets mostra que os homens gastam em média 154 dólares com a parceira, enquanto as mulheres gastam cerca de 136 dólares.
Outro estudo da National Retail Federation mostra que os recém-namorados ou recém-casados com idades compreendidas entre os 25 e os 34 anos gastam mais do que os outros casais.
 

O amor pelos animais 

Os americanos gastam mais de 700 milhões de dólares em presentes de São Valentim, para os animais de estimação. Gastam mais neste dia com os amigos de quatro patas do que no dia de Halloween.

 

Mulheres dão prendas… a elas próprias 

Um em cada cinco presentes comprados por mulheres são para oferecer a elas próprias. Nos Estados Unidos, o Dia de São Valentim não serve só para presentear o namorado ou a namorada. Os americanos gostam de oferecer prendas simplesmente às pessoas de quem gostam, independentemente da ligação que os una. De acordo com a Sociedade Americana de Floristas, enquanto os homens gostam de comprar prendas do dia de São Valentim para a companheira (63% dos homens contra 30% das mulheres), as mulheres gostam mais de mimar as mães (30% contra 11% dos homens), os/as amigos/as (19% contra 7%) ou para elas próprias (19% contra 1%).