Os sindicatos dos médicos anunciaram, esta quarta-feira, que os médicos vão estar em greve a 8, 9 e 10 de maio pela reivindicação do processo negocial das carreiras e das grelhas salariais.

Segundo o comunicado da FNAM, os médicos defendem a “abertura urgente e atempada de concursos para todos os graus e categorias da carreira médica”.

“A Greve de 8,9 e 10 de maio é em defesa das nossas condições de trabalho que diariamente vemos serem violentadas – defendemos a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e penosidade acrescidos, direito consagrado desde 1998, mas nunca aplicado. A greve é em defesa de um SNS com mais e melhor qualidade para todos”, lê-se ainda.

A FNAM tinha inicialmente previstos três dias de greve para abril, mas, segundo o dirigente João Proença, os dois sindicatos decidiram convergir e agendar uma paralisação conjunta de três dias para maio.

Entre as reivindicações dos sindicatos tem estado a redução da lista de utentes por médico de família e a diminuição de 18 para 12 horas semanais de serviço de urgência obrigatório.