Mais 13 áreas consideradas prioritárias, como oncologia pediátrica ou cardiologia, têm agora definidos centros de referência, os quais foram criados para proporcionar “benefícios para os doentes e para os sistemas de saúde”.

Criados pelo anterior ministro da Saúde, Paulo Macedo, foi já nos últimos dias do seu mandato que foram conhecidos os primeiros centros de referência, criados para as áreas da epilepsia refratária, da onco–oftalmologia, da paramiloidose familiar, do transplante pulmonar, do transplante do pâncreas e do transplante hepático.

Segundo o despacho do ministro da Saúde a que a Lusa teve acesso, hoje serão anunciadas mais 13 áreas prioritárias, para as quais foi reconhecido um alargado número de instituições como centros de referência, seguindo assim a proposta da Comissão para o reconhecimento de Centros de Referência.

Estas áreas são a cardiologia de intervenção estrutural, cardiopatias congénitas, doenças hereditárias do metabolismo, epilepsia refratária, oncologia de adultos-cancro do esófago, oncologia de adultos - cancro do testículo, oncologia de adultos - sarcomas das partes moles e ósseos, oncologia de adultos - cancro do reto, oncologia de adultos - cancro hepatobilio-pancreático, oncologia pediátrica, transplantação renal pediátrica, transplante de coração, transplante rim–adultos.

Na área de cardiologia de intervenção estrutural são reconhecidos como centros de referência o Centro Hospitalar de São João (Porto), o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar Lisboa Norte, o Centro Hospitalar de Lisboa Central e o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental.

Para as cardiopatias congénitas foram escolhidos o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar de Lisboa Central e o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, em colaboração interinstitucional com o Centro Hospitalar Lisboa Norte e em colaboração interinstitucional com o Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa.

Quatro instituições foram reconhecidas como centros de referência na área de doenças hereditárias do metabolismo: o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e o Centro Hospitalar Lisboa Norte.

Na área de epilepsia refratária apenas o Centro Hospitalar de São João, no Porto, foi classificado como centro de referência.

Em relação aos cancros do esófago no adulto, foram reconhecidos o Centro Hospitalar de São João, o Instituto Português de Oncologia do Porto, Francisco Gentil, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar Lisboa Norte e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil.

Ainda na área de oncologia de adultos, mas em relação ao cancro do testículo, foram reconhecidos o Centro Hospitalar de São João, o Instituto Português de Oncologia do Porto, Francisco Gentil, em colaboração interinstitucional com o Centro Hospitalar do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil.

Para os Sarcomas das Partes Moles e Ósseos foram escolhidos o Centro Hospitalar do Porto, o Instituto Português de Oncologia do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar Lisboa Norte, E.P.E., e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil.

Na área do cancro do reto, foram reconhecidos o Hospital de Braga, o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar do Porto, o Instituto Português de Oncologia do Porto, Francisco Gentil, o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, o Centro Hospitalar Lisboa Norte, o Centro Hospitalar de Lisboa Central, o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, o Hospital da Luz, o Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, o Centro Integrado dos Hospitais Cuf Lisboa (Hospital Cuf Infante Santo S.A. e Hospital Cuf Descobertas), a Sociedade Gestora do Hospital de Loures - Hospital Beatriz Ângelo (Loures)e o Centro Hospitalar do Algarve.

Ainda na área de oncologia de adultos, mas em relação ao cancro hepatobilio-pancreático, os centros de referência são o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar do Porto, o Instituto Português de Oncologia do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar Lisboa Norte, o Centro Hospitalar de Lisboa Central.

Na área de Oncologia Pediátrica, os centros reconhecidos foram o Instituto Português de Oncologia do Porto, em colaboração interinstitucional com o Centro Hospitalar S. João, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e o Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, em colaboração interinstitucional com o Centro Hospitalar Lisboa Central e com o Centro Hospitalar Lisboa Norte, na área dos tumores do sistema nervoso central.

Para a transplantação renal pediátrica foram reconhecidos dois centros: o Centro Hospitalar do Porto e o Centro Hospitalar Lisboa Norte.

Na área do transplante de coração foram escolhidos o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e na área do transplante do rim em adultos o Centro Hospitalar de São João, o Centro Hospitalar do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar de Lisboa Central e o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental.