O Tribunal Judicial de Guimarães aplicou esta sexta-feira prisão preventiva ao sétimo suspeito da coautoria do assalto à mão armada ao pavilhão dos CTT Expresso em Celeirós, Braga, registado a 19 de fevereiro, informou fonte da GNR.

Segundo a fonte, o suspeito tem 24 anos e é segurança noturno.

Foi detido na sequência de duas buscas domiciliárias realizadas pela GNR em Maximinos e Lamaçães, no concelho de Braga.

Daquelas diligências, resultou ainda a apreensão de uma viatura automóvel, haxixe e uma balança de precisão.

O assalto aos CTT de Braga registou-se no final do dia 19 de fevereiro, tendo os ladrões efetuado diversos disparos para o ar, para intimidar os mais de dez funcionários que se encontravam no interior do pavilhão.

A GNR deteve quatro dos suspeitos em flagrante, momentos depois do assalto, tendo o quinto sido capturado na madrugada de sexta-feira, na zona de Guimarães.

Posteriormente, um sexto elemento entregou-se às autoridades.

Estão associados à atividade de segurança em estabelecimentos de diversão noturna e encontram-se já todos em prisão preventiva.

Na altura das primeiras detenções, a GNR apreendeu aos suspeitos mais de 15 mil euros, «fruto do roubo efetuado».

Foram ainda apreendidos dois veículos automóveis, luvas, gorros passa montanhas, telemóveis e outro equipamento de comunicações (walkie-talkies), bem como várias munições.

Posteriormente, a GNR efetuou nove buscas domiciliárias, tendo apreendido vário material presumivelmente relacionado com a prática criminosa dos indivíduos detidos.

Foram apreendidos, nomeadamente, um automóvel, walkie-talkies, luvas, 50 relógios, chaves de ignição de veículos automóveis, gás pimenta, pés de cabra, gazuas, uma soqueira, gorros, matrículas de viaturas estrangeiras e 400 euros, entre vários outros objetos.