O Governo garantiu, nesta quarta-feira, aos enfermeiros que o regime das 35 horas semanais “vai abranger todos os profissionais”, incluindo os que têm contratos individuais de trabalho, confirmou a TVI24, junto do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP).

Em causa estão 13.000 enfermeiros nesta situação contratual.

De acordo com Guadalupe Simões do SEP, que se reuniu com a tutela, no Ministério das Finanças, a aplicação das 35 horas aos enfermeiros com contratos individuais de trabalho depende da “negociação com os sindicatos do instrumento de regulamentação coletiva”, que deverá estar concluído até 1 de julho, data da entrada em vigor das 35 horas para os enfermeiros com contratos de trabalho em funções públicas.

O Ministério da Saúde vai, também, pedir aos hospitais para abrirem bolsas de recrutamento, o que deve acontecer “a qualquer momento”, para contratarem os enfermeiros em falta.

Recorde-se que o ministro da Saúde disse, no mês passado, que a aplicação das 35 horas semanais vai exigir, a partir do segundo semestre do ano, mais entre 1.500 a 1.700 enfermeiros e mais 800 a 1.000 assistentes operacionais.

Segundo Adalberto Campos Fernandes, o regresso às 35 horas semanais terá um custo de 27 milhões de euros, os quais se encontram "dentro da reserva orçamental definida” em matéria do Orçamento do Estado para 2016.