No ano letivo 2013-14, os professores de 16 Estados-membros da União Europeia viram os seus salários aumentar face ao ano anterior, mas Portugal ainda não acompanha esta tendência de recuperação, revela um relatório hoje divulgado em Bruxelas.

O relatório hoje divulgado pela Comissão Europeia aponta que a maioria dos países europeus registou uma subida dos salários dos professores no ano letivo transato – embora em muitos países os salários reais, em função do custo de vida, estejam ainda abaixo dos níveis de 2009, quando começou a crise -, mas três países registaram descidas superiores a 1%, designadamente Grécia, Chipre e Portugal.

«Em Portugal, devido à crise económica, os professores também sofreram reduções de salários, à semelhança de todos os funcionários públicos. No entanto, em junho de 2014, estas reduções foram suspensas devido à decisão do Tribunal Constitucional», refere o documento elaborado pela Eurydice, rede europeia que elabora informação sobre os sistemas educativos na Europa.

Na comparação com 2009, indica o relatório, são visíveis os efeitos da crise nos salários dos professores na UE, pois cerca de metade dos Estados-membros aplicaram cortes salariais ou procederam a congelamentos de salários, durante um ou mais anos, pelo que os professores perderam poder de compra, embora com diferenças entre os países.

Portugal faz parte de um grupo de países, que inclui também Chipre, Itália, Holanda, Roménia e Reino Unido, onde a redução dos salários oscilou entre 5 e 10%, ainda assim longe do caso mais problemático, o da Grécia, onde as reduções rondaram os 40%.

O relatório salienta também as diferenças existentes entre os Estados-membros ao nível de progressão na carreira, apontando que Portugal é um dos países onde um professor necessita de mais tempo de docência para alcançar o topo de carreira a nível salarial, 34 anos.