Os donativos que foram enviados para ajudar os pais da bebé prematura portuguesa que morreu no Dubai vão ser entregues à Maternidade Alfredo da Costa e à Associação XXS, revelaram os pais da criança num post do Facebook.

«Ainda estamos a pagar várias despesas para poder fazer o cálculo final, mas irá sair tudo certinho num jornal em Portugal e colocada uma cópia aqui [no Facebook] e enviada outra ao Ministério da Administração Interna. O dinheiro que sobrar de Portugal irá ser doado, tanto em material para a MAC, como para a Associação XXS e o dinheiro que sobrar do Dubai irá ser entregue a uma igreja que nos ajudou quando mais precisávamos», lê-se na mensagem datada de 01 de dezembro.


A bebé filha de portugueses que nasceu prematura no Dubai morreu no dia 16 de novembro cerca das 07:00 de Lisboa. Margarida, filha dos portugueses Gonçalo e Genny Queiroz, nasceu a 28 de outubro, às 25 semanas de gestação e com 410 gramas, no Dubai.

O caso da bebé ficou conhecido em Portugal após um pedido de ajuda público dos pais, que não têm seguro de saúde e não dispunham de meios para pagar as despesas hospitalares de mil euros por dia, uma vez que não há seguradoras que façam apólices a uma bebé cujas hipóteses de sobrevivência oscilam entre 40% e 50%.

A história do casal de emigrantes portugueses gerou uma onda de solidariedade que levou à criação de uma página no Facebook, através da qual foram já angariados cerca de 100 mil euros e por onde mais de 135 mil pessoas seguiam a luta pela vida da bebé.

Na última mensagem, os pais, Gonçalo e Eugénia, dizem: «o destino quis que conhecêssemos pessoas maravilhosas, que fizéssemos amizades novas, que se falasse mais de bebés prematuros não só em Portugal mas no mundo. Ficamos muito sensibilizados por a lei sobre os bebés prematuros no Dubai se alterar a partir de 2016» e aproveitam para «agradecer aos milhares de pessoas que em Portugal e no mundo se sensibilizaram e ajudaram».

«Cada um ajudou no que pôde e como pôde e recebemos mais de 7500 transferências. Não conseguimos contabilizar quantas pessoas rezaram por nós e que nos deixaram as suas mensagens de apoio», lê-se no texto, que termina considerando: «Mesmo ainda sem sabermos as respostas para o que nos aconteceu... e para aquilo que Deus designou para o nosso futuro, sabemos que a Margarida mudou o mundo...»