Utentes das urgências do hospital de Évora esperaram, entre sexta-feira e este sábado, mais de 18 horas para serem atendidos, disseram à agência Lusa fontes da unidade de saúde, apontando como um dos motivos a falta de médicos.

De acordo com as mesmas fontes, as equipas médicas das urgências estiverem desfalcadas na sexta-feira, o que levou a um aumento do tempo de espera dos utentes, tendo alguns, que entraram nas urgências na sexta-feira à tarde, sido atendidos este sábado de manhã.

Contactado pela Lusa, o gabinete de comunicação e marketing do hospital confirmou que, «com a falta de médicos, nesta altura, há um aumento do tempo de espera» por parte dos utentes das urgências, «ultrapassando o recomendado».

«Todavia, os nossos profissionais estão a fazer todos os possíveis para dar resposta aos nossos utentes com os recursos existentes», sublinhou o mesmo gabinete do hospital.

O porta-voz da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, Mário Simões, confirmou também este sábado à Lusa que se verificou na sexta-feira um aumento da afluência às urgências hospitalares.

No entanto, o porta-voz da ARS alegou que «a maior parte» dos utentes que se deslocou às urgências poderia ter optado por ser atendida em centros de saúde ou unidades de saúde familiares, que «estão a funcionar com horário mais alargado».

De acordo com as mesmas fontes, as urgências hospitalares têm vindo, durante o dia deste sábado, a «normalizar» o atendimento.