O PSD defendeu esta terça-feira que o eventual aumento do salário mínimo nacional deve ser abordado em concertação social no âmbito de uma discussão mais ampla sobre a política de rendimentos associada à produtividade.

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo porta-voz e coordenador da Comissão Política Nacional do PSD, Marco António Costa, na residência oficial de São Bento, em Lisboa, onde uma delegação social-democrata esteve reunida com o primeiro-ministro sobre a conclusão do programa de resgate a Portugal.

«Esta não deve ser uma discussão - e aí sigo muito de perto o que disse o presidente do Conselho Económico e Social - sobre um tema específico, sobre o salário mínimo nacional. O PSD defende que deve haver, no âmbito da concertação social, um diálogo mais amplo, que torne possível discutir transversalmente a política de rendimentos em Portugal associada à produtividade da nossa economia», declarou Marco António Costa.

O social-democrata sustentou que só será possível «construir um consenso sólido, duradouro» em Portugal se em sede de concertação social for feito um trabalho «que associe uma política de rendimentos transversal, quer no setor público, quer no setor privado, com a produtividade».

Antes, Marco António Costa referiu que a abertura manifestada recentemente pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para discutir o aumento do salário mínimo nacional «é algo que ele já afirmou noutras circunstâncias».

«Só não aconteceu antes, todos nós sabemos, tinha a ver com a necessidade de dar por terminado o programa de resgate a que Portugal estava sujeito e dos condicionalismos que de alguma forma impediam que essa discussão se iniciasse de forma sustentada», alegou.

O porta-voz do PSD considerou, depois, que o atual enquadramento macroeconómico, que descreveu como de crescimento da economia e do emprego e descida sustentada do desemprego, «é o adequado para se ter esta discussão».