Os protestos surgem num momento em que se sabe que os jihadistas já tomaram a cidade de Kobani que, por se localizar junto à fronteira com a Turquia, é considerado um ponto estratégico.

Na segunda-feira, dezenas de curdos juntaram-se junto ao parlamento alemão

.
Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, pelo menos 400 pessoas já morreram devido a confrontos entre curdos e jihadistas em Kobani.

«Se isto continuar, se não houver ajuda internacional, se não chegar ajuda militar de para os moradores de Kobani e para os combatentes curdos que lutam ali, a cidade poderá cair nas mãos do EI», disse Karwan Zebari, um representante do governo regional curdo nos EUA, à BBC. 

Mais de dois mil curdos terão sido retirados da cidade após os últimos combates, de acordo com as declarações de um membro do partido União Democrática Curda (PYD).