A Rússia não tenciona, por enquanto, aderir à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), mas irá desenvolver a cooperação com os países membros, em primeiro lugar, num formato bilateral, declarou o vice-primeiro-ministro russo, Igor Setchin.

Setchin, que responde pelo complexo de gás e petróleo russo, precisou que o secretariado da OPEP insiste em que o seu país adira a esse cartel, avançou a Lusa.

«A direcção da OPEP insiste na adesão da Rússia, mas nós insistimos na assinatura de um memorandum. É indispensável estudar as abordagens de ambas as partes e avançar gradualmente na aproximação dos nossos planos, tendo em conta a situação actual», afirmou, após a cimeira da OPEP, realizada hoje em Viena.

O ministro sublinhou que a Rússia está pronta para participar nas medidas tomadas pelo cartel para a estabilização dos preços do petróleo ao nível mundial.

«Iremos apoiar a continuação da cooperação com a OPEP e medidas concretas para o estímulo do aumento dos preços», disse Setchin, acrescentando que «na tomada de decisão sobre a redução de quotas e sobre outras medidas é importante o cumprimento dos compromissos por parte de todos os participantes do processo».

Setchin chamou também a atenção para o facto de a Rússia estar a desenvolver relações bilaterais com muitos países da OPEP, sublinhando que, durante as conversações bilaterais, esses países apoiaram as propostas da Rússia com vista a estabilizar os preços do petróleo.

«Temos um alto dinamismo de cooperação com a Venezuela e a Argélia. Desenvolvemos a cooperação com Angola. Podemos trabalhar com todos os países da OPEP numa base bilateral», concluiu o ministro russo.

Durante a cimeira, Igor Setchin propôs aos países produtores de petróleo que aumentem as infra-estruturas de armazenamento de combustível para evitar alterações de preços.