A segunda maior central solar fotovoltaica em Portugal começa esta terça-feira a produzir parcialmente em Ferreira do Alentejo (Beja), devendo começar a funcionar em pleno até final deste ano, após um investimento de quase 50 milhões de euros.

A central, com uma capacidade total instalada de 12 megawatts (MW), foi segunda-feira ligada à rede eléctrica nacional e começa a produzir de forma parcial e com os primeiros sete MW já instalados, disse à agência Lusa Hélder Serranho, administrador do grupo português Generg, promotor do projecto.

Segue-se a instalação dos restantes cinco MW «até final deste ano», altura em que a central deverá começar a funcionar em pleno, para produzir 21,3 gigawatts/hora de energia «limpa» por ano, «ligeiramente mais do que o consumo anual de electricidade do concelho de Ferreira do Alentejo».

Cartelização no negócio dos painéis?

Em termos de «benefícios ambientais», a central, o primeiro projecto fotovoltaico do grupo Generg e que está a ser instalada num terreno de quase 60 hectares na Herdade da Chaminé, vai evitar anualmente a importação de sete mil toneladas de fuel (cerca de 48 mil barris de petróleo não refinado) e permitir poupar 12 mil toneladas de emissões de CO2, salientou Hélder Serranho.

Projecto tem benefícios sociais

Quanto a impactos socioeconómicos, frisou, o projecto da central, orçado em quase 50 milhões de euros, «um dos maiores investimentos em energias renováveis no Alentejo», vai criar «seis empregos, três dos quais permanentes», além dos postos de trabalho temporários nas fases de instalação.

Lucros da EDP são os maiores de sempre

Hélder Serranho salientou também os benefícios sociais do projecto, frisando que o grupo Generg celebrou um contrato de direito de superfície com a Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Alentejo (SCMFA), a administradora da Herdade da Chaminé.

Através do contrato, explicou, o grupo, durante os 25 anos que a central irá funcionar ocupando cerca de 60 hectares da herdade, irá pagar uma renda anual à SCMFA que permitirá «melhorar o apoio social à população do concelho, sobretudo aos mais carenciados».

Quando estiver totalmente instalada e a funcionar em pleno, a central solar do grupo Generg, a segunda de três no concelho de Ferreira do Alentejo, será a segunda maior em Portugal, depois da maior do mundo com 46,41 MW e a produzir em pleno desde Dezembro de 2008 perto da vila de Amareleja, no concelho de Moura.

Além da central do grupo Generg, em Ferreira do Alentejo já funciona em pleno, desde Dezembro de 2008, uma da empresa Net Plan, com 1,8 MW distribuídos por cinco pequenas centrais, e está em instalação uma outra da Sociedade Ventos da Serra, com 10 MW e que deverá começar a produzir parcialmente em Junho.

No distrito de Beja, que tem a maior potência fotovoltaica licenciada em Portugal, além das três centrais de Ferreira do Alentejo e da maior do mundo na Amareleja, existem outras quatro centrais, duas em Mértola, uma em Brinches (Serpa) e outra em Almodôvar.