A Europa deverá perder 3,5 milhões de postos de trabalho este ano e atingir uma taxa de desemprego de 9,5% em 2010, de acordo com um estudo realizado pela Comissão Europeia. Para Portugal, os economistas contactados pelo «Diário Económico» não esperam um cenário tão negro, mas receiam que o número de desempregados pode chegar aos 500 mil ao longo do ano.

«O ritmo de aumento de desemprego registado em Janeiro torna difícil que até Março não se ultrapassem os 500 mil desempregados», defende Pedro Adão e Silva, sociólogo especializado no mercado laboral.

«Mas este número não significa, necessariamente, uma taxa de desemprego que ronde os 10%», ressalva.

A expectativa é um aumento relativamente rápido da taxa de desemprego na Europa. Apesar de esperar um ritmo de aumento «menos intenso do que o registado na Europa», o economista-chefe do Santander Totta, Rui Constantino não descarta a possibilidade de o número de desempregados chegar a meio milhão, adianta o «DE».

Meio milhão de desempregados representa uma perda líquida de 50 mil postos de trabalho, uma vez que em Janeiro se estima que já existam 450 mil pessoas sem emprego.