O PS alertou, esta quinta-feira para a ameaça que paira sobre a educação, acusando o Governo PSD/CDS-PP pelo retrocesso que está a atingir o setor e que poderá destruir as conquistas das últimas décadas.

«Mesmo em situação de crise, a política inteligente é manter os níveis de investimento em educação e ciência. Esta é a única saída de futuro, ou para usar a linguagem do momento, a única saída limpa», afirmou o deputado do PS Carlos Zorrinho, numa declaração política no plenário da Assembleia da República.

Apontando a educação como uma das conquistas mais relevantes do 25 de Abril, o deputado socialista lamentou o desinvestimento que o atual Governo tem feito na educação, com as despesas no setor a terem sido reduzidas para 4 por cento do PIB.

«O que está a acontecer com a educação em Portugal não é uma fatalidade, é uma escolha política», disse.

Carlos Zorrinho apontou, então, alguns dos caminhos que deverão ser seguidos, defendendo a concretização da escolaridade obrigatória até aos 18 anos, a construção de «escolas diferentes» baseadas na colaboração e coordenação entre professores e numa forte ligação com a sociedade, entre outras propostas.

Antes, a deputada do PSD Conceição Ruão tinha escolhido a Lei de investigação clínica para tema da sua declaração política, apontando as alterações introduzidas à atual legislação.

A lei de investigação clínica, que está neste momento em discussão na especialidade e subirá brevemente a plenário para votação final global, abrange o regime de realização de ensaios clínicos com medicamentos de uso humano, o regime de investigação clínica de dispositivos médicos, produtos cosméticos e de higiene corporal.