O secretário-geral do PS disse esta quinta-feira, à saída do plenário, que «não há nenhuma negociação com o Governo». António José Seguro acusou o primeiro-ministro de tudo fazer para desviar atenções do debate do Orçamento, depois de confrontado com o desafio para celebrar com o Governo um compromisso de redução estrutural da despesa.

António José Seguro falava aos jornalistas no final da sessão de abertura do debate na generalidade da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2014.

Hoje, logo na sua intervenção inicial do debate, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que o Governo quer reduzir a carga fiscal de modo permanente e defendeu que esse objetivo depende de um compromisso político de médio e longo prazo para a redução da despesa que envolva o PS.

Interrogado pelos jornalistas se aceita sentar-se à mesa com o executivo para concretizar uma reforma do Estado, António José Seguro deu a seguinte resposta: «O Governo, o primeiro-ministro e o vice-primeiro-ministro [Paulo Portas] fazem tudo para desviar as atenções da vida e dos problemas dos portugueses e deste Orçamento, que apresenta brutais cortes das pensões, dos salários, na educação ou saúde».

«Não alinho em desvirtuar o debate [do Orçamento do Estado para 20149 e, por isso, estou concentrado em demonstrar que esta proposta do Governo é um plano de cortes que empobrecerá e afundará ainda mais o país. O país precisava de ter outro Orçamento e outra estratégia de finanças públicas que estivesse ao serviço do país», declarou.