Notícia atualizada às 12:50

O protesto de um grupo de vinte pessoas a exigir um por cento do Orçamento de Estado para a área da cultura interrompeu, esta quinta-feira, a intervenção do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, no parlamento, em Lisboa.

Jorge Barreto Xavier falava numa audição conjunta da Comissão de Educação, Ciência e Cultura e da Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública, para apreciação na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2014.

Durante a intervenção do secretário de Estado, que estava a responder a questões formuladas no hemiciclo por um deputado do PCP, um grupo de pessoas que assistia à audição levantou-se subitamente e gritou, por momentos, «um por cento para a cultura» e «demissão».

Os manifestantes foram retirados das galerias pela polícia e o secretário de Estado da Cultura voltou a falar, comentando que «compreendia a exigência de um por cento para a cultura, mas que nenhum Governo, desde o 25 de Abril, conseguiu fazê-lo, e no quadro económico atual ainda menos».

Jorge Barreto Xavier disse que a Secretaria de Estado da Cultura «tudo fará para que o serviço público não seja afetado nesta área», no próximo ano.

Protesto fora do Parlamento

Fora do edifício do Parlamento, cerca de 30 pessoas das áreas culturais e artísticas manifestam-se, exigindo também um por cento do Orçamento do Estado para a cultura. A iniciativa é do Manifesto para a Cultura e tem o apoio do Sindicato dos Trabalhadores dos Espectáculos (STE) e do Cena - Sindicato dos Músicos, dos Profissionais do Espetáculo e do Audiovisual.

Tal como lá dentro, cá fora, alguns dos manifestantes gritaram palavras de ordem no hemiciclo, nomeadamente «um por cento para a cultura» e «Governo rua».

Os manifestantes abriram um pano vermelho que foram agitando e movimentando e onde estava inscrito um por cento.

Entre os manifestantes, adianta a Lusa, estão o artista plástico Pedro Penilo e os atores Susana Borges e Brunno Schiappa.