O secretário-geral do PS, António José Seguro, escusou-se a comentar as acusações a Ricardo Salgado, mas defendeu que os portugueses não devem voltar a ser chamados a pagar erros dos banqueiros.

«É muito importante, em primeiro lugar, que não haja mais dinheiro dos contribuintes para corrigir erros ou disparates feitos por investidores privados», declarou, defendendo que «é preciso que os portugueses saibam como se chegou a esta situação, uma vez que tem havido efeitos de arrastamento e de exposição entre o sistema financeiro, através deste grupo e outras empresas importantes do país, como é o caso da PT».

António José Seguro falava aos jornalistas durante a visita ao Festival Músicas do Mundo, em Sines, durante a qual se fez acompanhar pelo presidente da câmara local, Nuno Mascarenhas (PS) e por algumas dezenas de apoiantes.

«O que é importante é que a Justiça funcione. E se a Justiça encontra razões para ouvir cidadãos, sejam eles trabalhadores ou banqueiros, que o faça. Ninguém está acima da Justiça», declarou o dirigente do PS.