O líder parlamentar do PCP prometeu confrontar hoje o Governo com o que considera ser a «ação concertada» do executivo para «atacar as funções sociais do Estado e destruir os serviços públicos», numa interpelação no parlamento.

«Aquilo que está em causa não são medidas isoladas de política setorial, é uma ação concertada do Governo no sentido de atacar as funções sociais do Estado e destruir os serviços públicos», afirmou João Oliveira.

A bancada comunista realizou 34 iniciativas para conhecer diversas realidades relacionadas com o tema, entre 09 e 16 de dezembro, e vai entregar «mais de 100 perguntas escritas» ao elenco governativo, além de estar a preparar «mais de dez projetos-lei ou projetos de resolução» no mesmo âmbito para promover «uma política de rotura, em respeito pelas funções sociais do Estado que a Constituição impõe».

João Oliveira acusou ainda o Governo liderado por Passos Coelho e Paulo Portas de ter «objetivos de satisfação de interesses residuais de natureza económica e financeira».

A interpelação, apresentada pelo PCP vai ser aberta, pelas 15:00, no plenário da Assembleia da República, precisamente pelos comunistas, durante 10 minutos, seguindo-se resposta do Governo. O debate deverá ter um total de duas horas, aproximadamente, e será encerrado por PCP e Governo, seis minutos cada, por aquela ordem.