O primeiro-ministro foi vaiado, em Braga, esta sexta-feira à noite, por um grupo de cerca de 20 manifestantes, que acusaram a polícia e a segurança de Pedro Passos Coelho de os «querer esconder».



De acordo com a Lusa, o grupo aguardava, com cartazes de protesto, a chegada do líder do PSD a um encontro com militantes da JSD. Os cartazes exibiam palavras de ordem contra o desemprego, o referendo sobre a coadoção, os cortes nos salários e pensões e na atribuição de bolsas de investigação.

PM: Portugal não está a acumular dívida, mas tem muito para amortizar



«Fascista», «25 de Abril sempre, fascismo nunca mais», foram algumas das palavras que os manifestantes dedicaram a Passos Coelho.



Cerca de 10 minutos antes da chegada do primeiro-ministro ao local, cerca de uma dezena de elementos da PSP e da segurança de Passos Coelho, ladearam os manifestantes. O objetivo era fazê-los recuar até ao outro lado da rua por onde o líder do PSD iria entrar no edifício.



«Eles estão a fazer o que lhes mandam, entendemos isso. O que não entendemos é que nos queiram esconder para fingir que não existimos», explicou à Lusa uma das manifestantes.



A reunião, que juntou dezenas de militantes da JSD, decorreu à porta fechada.