«Ninguém sabe que bicho mordeu a Paulo Portas, mas voltou de Macau numa inenarrável fatiota de vítima. Os alvos dele enquanto jornalista no Independente estão decerto a rir-se. Do ar compungido, da lamúria sobre as muitas reuniões e horas de viagem. Não quer? Demita-se e experimente a fila do centro de emprego...»