O Presidente da República, Cavaco Silva, considerou hoje que é nas empresas que está «o grande pilar da recuperação do país» e não nos «faits divers» porque «intrigas, agressividades, crispações, e insultos entre agentes políticos» não promovem o crescimento económico.

Portugal deve ter um sistema fiscal «competitivo e estável»

«São empresas como essas, tal como as vossas, e não as intrigas, as agressividades, as crispações, os insultos entre agentes políticos que promovem o crescimento económico, a criação de emprego e a conquista de novos mercados», disse Cavaco Silva num almoço de empresários de Oliveira de Azeméis, no âmbito do roteiro para uma Economia Dinâmica que promove hoje no Norte do país.

É por isso, explicou o Presidente da República, que dedica ««boa parte do tempo aos assuntos económicos, ao contacto com empresários e à visita às empresas».

«Aí está o grande pilar da recuperação do nosso país. O resto, caros empresários, é faits divers», atirou.

Cavaco Silva, que considerou que os «nos últimos anos os nossos empresários foram verdadeiros heróis», defendeu que é necessário «concentrar» a energia naquilo que é «fundamental».

«Fazer de Portugal uma economia dinâmica, uma economia avançada, que é capaz de competir nos mercados internacionais e que crie emprego por forma a dar a abrir janelas de esperança, em particular para os nossos jovens», sublinhou.

O Presidente da República destacou ainda que, de acordo com os dados disponíveis, «há um sentimento positivo» em relação à evolução da economia portuguesa.