O ministro da Presidência disse esta quinta-feira que o Conselho de Ministros de sábado pretende aproveitar «os holofotes» internacionais que estarão apontados para Portugal para mostrar a estratégia de médio prazo do país, que deixa de «estar ligado à máquina».

«No espaço mediático internacional haverá uma atenção natural sobre o encerramento do programa português, o Governo português pretende aproveitar esses holofotes para dar conhecimento em termos mediáticos daquilo que é a estratégia das reformas a médio prazo», afirmou o ministro da Presidência, Luís Marques Guedes.

Recusando as acusações de propaganda que têm sido feitas pela oposição, Marques Guedes reconheceu que, apesar do dia 17 de maio ser apenas uma data, «assinalada a saída, o fim formal do programa e a saída de Portugal dessa situação, de estar ligado à máquina, de ver as suas finanças assistidas permanentemente por empréstimos», cita a Lusa.