Eduardo Catroga, o homem que representou o PSD nas negociação do programa de reajustamento com a troika, afirmou no programa «O Estado da Nação», da TSF e do «Diário de Notícias», que o enorme aumento de impostos foi um erro e que o Governo devia ter começado por uma redução da despesa.

«As lacunas do programa são em duas áreas: financiamento à economia e falta de incentivos fiscais e financeiros ao investimento. A reforma do IRC aparece tarde e a más horas. Mais vale mais tarde do que nunca, mas essa devia ter sido logo uma preocupação em 2012. Como também devia ter sido logo uma preocupação nesse ano não o enorme aumento de impostos, mas uma enorme redução da despesa pública», disse.

Catroga reconhece que devido «a restrições» como, por exemplo, os chumbos do tribunal Constitucional, o executivo optou pelo «caminho mais fácil».

Mas o também ex-ministro social-democrata, acusou ainda os governos de Guterres pela situação de crise que se vive atualmente e prevê que «o processo de ajustamento vá demorar muitos anos».

«Nós estamos a fazer ajustamento há três anos para tentar corrigir excessos acumulados durante 15 anos, e erros de política económica, sobretudo a partir da segunda metade dos anos 90, com uma política ultra ultraexpansionista do tempo do António Guterres, que desperdiçou uma época de ouro para fazer reformas estruturais», explicou.