O porta-voz do CDS-PP reiterou este sábado que, na maioria, há uma «solução estável» e «forte» para terminar a legislatura. João Almeida remeteu para o final da reunião da comissão política a «avaliação» do partido sobre o processo político.

«O CDS tem afirmado que entende que, do ponto de vista da maioria, há uma solução estável e suficientemente forte para terminar esta legislatura», disse aos jornalistas o porta-voz do CDS.

Questionado sobre a declaração ao país do Presidente da República, marcada para domingo, às 20:30, João Almeida disse que «é uma consequência» do processo político em curso.

«Haverá, antes de mais, todo o respeito pela análise do senhor Presidente da República. O CDS já transmitiu ao senhor Presidente da República qual é a sua análise e, portanto, é a sequência normal do processo», afirmou.

«Esta reunião da comissão política nacional servirá, em primeiro lugar, para a delegação do CDS, que participou nas conversações na sequência da proposta do senhor Presidente da República para haver um compromisso de salvação nacional, fazer sua análise sobre todo esse processo e para os membros da comissão política nacional do CDS discutirem as conclusões dessa mesma análise, feita pelos representantes do CDS na negociação», declarou.

João Almeida disse que «após essa discussão, será feita uma declaração, e nessa declaração, o CDS dará a conhecer a avaliação que faz de todo este processo, sabendo-se que, desde o início, o CDS reconheceu a importância de se tentar obter um compromisso de salvação nacional e que participou com todo o empenho de uma forma construtiva em todo esse processo».

A declaração, prevista para cerca das 20:15, será feita Pedro Mota Soares, chefe da delegação do CDS-PP nas negociações para o «compromisso de salvação nacional», pedido pelo Presidente da República, Cavaco Silva.