O capitão de Abril Vasco Lourenço defendeu esta quarta-feira que se a coligação governamental «não ultrapassar os 20%» nas eleições europeias de 25 de maio «deve sair do poder».

«Se os partidos tiverem uma votação muito pequena têm forçosamente de sair do poder», argumentou o antigo militar, questionando qual a «legitimidade para se aguentar no poder» o PDS/CDS-PP «se não ultrapassarem os 20%».

Num almoço/debate na Associação 25 de Abril, em Lisboa, no qual compareceram cinco cabeças de lista dos partidos sem representação parlamentar, Vasco Lourenço, instou a que se mostre o «cartão vermelho aos partidos que neste momento estão em exercício no poder», ou seja, «ao bando de mentirosos».

«Um cartão vermelho para nos ajudar a correr com esses fulanos do poder», repetiu Vasco Lourenço, também presidente da Associação 25 de Abril, criticando que o voto nos partidos seja semelhante à pertença de clubes de futebol: «mesmo que desça de divisão as pessoas não mudam de clube».

«Por muitas asneiras que façam enquanto estão no poder, as pessoas continuam a votar. Mas têm de nos ajudar a dar a volta ao texto», apelou Vasco Lourenço, na sua intervenção, acrescentando que apesar de não estarem em causa eleições legislativas, o Executivo deve fazer uma leitura dos resultados.

No debate com os líderes das listas do PTP, PDA, PCTP/MRPP, PND e POUS, Vasco Lourenço afirmou ainda que a subida da extrema-direita é «responsabilidade de quem está no poder» devido às suas decisões e desejou que em Portugal essa ideologia «continue sem qualquer capacidade de intervenção eleitoral».

Estes Animados Almoços Ânimo vão repetir-se e a 20 de junho deverá comparecer local Assunção Esteves, presidente da Assembleia da República.

O antigo militar destacou estas iniciativas como parte das «comemorações para recuperar os valores de Abril».