O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro (PS), agradeceu, esta quarta-feira, ao primeiro-ministro “a forma como liderou a questão relativa ao Banif, tendo em conta a importância que este banco tem para a economia da região”.

Para o governante, a “solução que se encontrou protege trabalhadores, protege os depósitos de famílias e empresas e protege a importância que o banco tem no funcionamento do setor bancário regional”.

Vasco Cordeiro falava no final de uma audiência que teve esta manhã em Lisboa com o primeiro-ministro, António Costa (PS).

A 20 de dezembro, o Governo e o Banco de Portugal anunciaram a resolução do Banif, com a venda de parte da atividade bancária ao Santander Totta, por 150 milhões de euros, e a transferência de outros ativos - incluindo ‘tóxicos' - para a nova sociedade veículo Naviget.

O Banif - Banco Internacional do Funchal (que estava em processo de reestruturação desde 2012) é o sétimo maior grupo bancário português e líder de mercado nos Açores e na Madeira.

Na reunião, foi ainda acordado um princípio de complementaridade entre Serviço Regional de Saúde (SRS) e o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Um açoriano que tem a necessidade de recorrer aos cuidados médicos no SNS não deve pagar esses cuidados médicos, da mesma forma que um continental que recorre aos cuidados médicos no SRS não paga esses cuidados médicos”, explicou o governante.


Dessa forma, frisou que deixa de “haver portugueses de primeira e portugueses de segunda”.

Na reunião, o presidente do Governo Regional mostrou-se ainda preocupado com a situação do setor leiteiro, nomeadamente com a “diminuição acentuada do preço do leite pago à produção”.

O plano de revitalização económica da ilha Terceira e a sua “importância para colmatar as dificuldades que resultam da decisão norte-americana” de reduzir o contingente na base das Lajes foi também abordado, tal como a situação da RTP/Açores e da Universidade dos Açores, que Vasco Cordeiro classificou como “dois maus exemplos de desinteresse” no arquipélago.

Na audiência, o presidente do Governo Regional dos Açores convidou ainda o primeiro-ministro a visitar oficialmente a região autónoma.