O presidente da Câmara Municipal do Porto admitiu a aplicação de uma taxa turística no Porto, sobre as dormidas nos hotéis. O autarca referiu que a cidade tem «muito interesse» em receber turistas, mas que isso implica uma «enorme sobrecarga» sobre as estruturas diárias da cidade, em declarações ao «Jornal de Notícias».

«Exige uma enorme sobrecarga sobre as nossas infra-estruturas: a limpeza, o ambiente. Nenhuma parte das receitas reverte a favor da cidade.»


Rui Moreira acrescentou que uma taxa turística «já foi aplicada em muitas outras cidades do mundo» e serve para cobrir essas despesas.

«A taxa ou o imposto turístico foi aplicado em muitas outras cidades do mundo e tem como razão de ser a cobertura do impacto dessa pegada turística.»


O autarca referiu ainda que este assunto «não é tabu» e está a ser estudado pela câmara, mas para já vão esperar para «ver como vai funcionar em Lisboa».

Rui Moreira disse, em novembro do ano passado, que a eventual introdução de taxas turísticas exige «prudência infinita» e uma avaliação macroeconómica, «para não matar a galinha dos ovos de ouro». A questão foi abordada no debate sobre o orçamento camarário para 2015, na Assembleia Municipal e na sequência de uma intervenção do Bloco de Esquerda (BE). 

No início do ano, no entanto, o autarca  afirmou que ia esperar pelos resultados da aplicação da taxa turística em Lisboa, admitindo que as cidades precisam de recursos para compensar «a pegada turística».

«Nós precisamos de ter recursos na cidade para compensar a pegada turística. E não temos. É por isso que António Costa pôs uma taxa sobre a hotelaria»