O antigo comissário europeu socialista António Vitorino concordou esta terça-feira que o apelo para um entendimento partidário preconizado pelo Presidente da República «faz todo o sentido», mas defendeu também uma convergência social.

«Esse apelo faz todo o sentido, na medida em que o país precisa de enfrentar ainda um percurso que vai ser difícil, que vai ser exigente e que exige não apenas uma convergência política, mas também uma convergência social. É menos a questão da necessidade e mais de como que está em causa», afirmou António Vitorino.

O antigo comissário europeu falava aos jornalistas na Guarda, no final da sessão solene comemorativa do 10 de Junho onde foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.

Sobre a distinção que recebeu esta tarde das mãos do Presidente da República, António Vitorino reconheceu que o dia de hoje «tem um significado muito especial», lembrando que dedicou muitos anos da sua vida «ao serviço da República».

«É reconfortante esse serviço prestado em várias instâncias e em várias condições reconhecido desta forma simbólica e é também de alguma forma um compromisso para futuro, a devoção ao país que somos», disse.